Austrália sedia decisão do título mundial Pro Junior 2017

por Redação de Olho no Mar / 04/01/2018

O título mundial Pro Junior começou a ser disputado em 1998 pela antiga Association of Surfing Professionals (ASP), hoje World Surf League (WSL). O primeiro a levantar o troféu de melhor surfista do mundo com até 21 anos de idade foi o já falecido Andy Irons, havaiano que depois se sagrou tricampeão mundial profissional no World Championship Tour.

A Austrália vai sediar a decisão do título mundial Pro Junior da World Surf League pelo segundo ano consecutivo nas ondas de Bombo Beach, em Kiama, na costa sul de New South Wales. O prazo do WSL Jeep World Junior Championship 2017 começa nesta quinta-feira e vai até o dia 12 de janeiro. Um total de 54 surfistas com até 18 anos de idade vai disputar os títulos, sendo 36 na categoria masculina e 18 na feminina competindo no mesmo formato utilizado nas etapas do CT. Eles se classificaram nas seletivas promovidas pelos sete escritórios regionais da World Surf League em todos os continentes. Quatro brasileiros e dois peruanos foram selecionados pela WSL South America no RDS Pro Junior em homenagem a Ricardo dos Santos na Guarda do Embaú, em Palhoça, Santa Catarina.

Mateus Herdy (Foto: William Zimmermann / RDS Pro Junior)

Dois brasileiros foram escalados como cabeças de chave das primeiras baterias do WSL Jeep World Junior Championship 2017. O paulista Samuel Pupo está na primeira com o norte-americano Ryland Rubens e o francês Marco Mignot. Na segunda, estreia o campeão sul-americano Pro Junior de 2017, o catarinense Mateus Herdy, contra o australiano Mikey McDonagh e o japonês Keanu Kamiyama. Assim como CT, essa primeira rodada não é eliminatória. Os vencedores das baterias avançam direto para a terceira fase, mas os perdedores têm outra chance de classificação na repescagem.

O único peruano do time sul-americano masculino, Jhonny Guerrero, está na quarta bateria com o havaiano Barron Mamiya e o sul-africano Adin Masencamp. E o outro brasileiro, João Chianca, de Saquarema (RJ), vai disputar a última vaga direta para a terceira fase com o sul-africano Ford Van Jaarsveldt e Che Allan, de Barbados.

Sol Aguirre (Foto: William Zimmermann / RDS Pro Junior)

Na competição feminina, a primeira a estrear será a campeã sul-americana de 2017, Sol Aguirre. A peruana está na quarta bateria com a havaiana Zoe McDougall e a norte-americana Alyssa Spencer. Já a campeã sul-americana de 2016, a catarinense Tainá Hinckel, está na sexta e última da primeira fase, com a havaiana Summer Macedo e a australiana Sophia Fulton.

A primeira chamada para o início do WSL Jeep World Junior Championship foi marcada para as 7h00 da quinta-feira na Austrália, 18h00 da quarta-feira no horário de verão do Brasil. A comissão técnica vai analisar as condições do mar em Bombo Beach e decidir se estão boas ou não para dar a largada na disputa pelos últimos títulos mundiais de 2017. Se estiverem favoráveis, também definirá qual categoria vai abrir o primeiro dia, se a masculina ou a feminina. O evento será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com

HEGEMONIA BRASILEIRA – O título mundial Pro Junior começou a ser disputado em 1998 pela antiga Association of Surfing Professionals (ASP), hoje World Surf League (WSL). O primeiro a levantar o troféu de melhor surfista do mundo com até 21 anos de idade foi o já falecido Andy Irons, havaiano que depois se sagrou tricampeão mundial profissional no World Championship Tour. Mas, é o Brasil que detém o maior número de títulos nas dezoito edições disputadas, sete no total. A hegemonia verde-amarela foi iniciada na última vez que o evento foi realizado no Havaí, pelo carioca Pedro Henrique no ano 2000.

Competidores na cerimônia de abertura do evento (Foto: Matt Dunbar – WSL)

Depois, a decisão mudou para a Austrália e o hoje campeão mundial Adriano de Souza foi o vencedor do título de 2003. O terceiro veio no ano seguinte com o cearense Pablo Paulino, que repetiu o feito em 2007, sendo o único brasileiro a ser bicampeão mundial Pro Junior. A bandeira brasileira voltou ao alto do pódio com o paulista Caio Ibelli, que em 2011 conquistou o título na única vez que o título foi disputado num circuito de três etapas. Dois anos depois aconteceu a única decisão no Brasil e o campeão do HD World Junior Championship 2013 na Praia da Joaquina, em Florianópolis (SC), foi Gabriel Medina. O carioca Lucas Silveira festejou a última vitória brasileira em 2015 em Portugal. Esta foi a última edição para surfistas com até 21 anos, pois na de 2016 o limite de idade mudou para 18 anos.

Foi neste ano que o título voltou a ser disputado na Austrália e Ethan Ewing conquistou o quinto troféu para os australianos. Mais quatro países também aparecem na galeria de campeões desta categoria na World Surf League, o Havaí com três títulos e a África do Sul, Portugal e França com um cada. Sempre considerada como uma das grandes potências do esporte, os Estados Unidos ainda não têm nenhum título mundial Pro Junior. No ano passado, o californiano Griffin Colapinto chegou perto de quebrar esse tabu, mas perdeu a decisão do título de 2016 para o australiano Ethan Ewing.

Já na categoria feminina, as australianas ganharam a maioria das doze edições, pois as meninas só começaram a disputar essa competição em 2005. Assim como os brasileiros no masculino, a Austrália tem sete títulos femininos, contra dois do Havaí, dois da França e um da Nova Zelândia. No ano passado, as duas representantes da América do Sul não conseguiram vencer nenhuma bateria em Kiama. A catarinense Tainá Hinckel está de volta à Austrália esse ano e a peruana Sol Aguirre vai substituir a argentina Josefina Ane que foi no ano passado.

Acompanhe a transmissão ao vivo do WSL Jeep World Junior Championship 2017 pelo www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

WSL JEEP WORLD JUNIOR CHAMPIONSHIPS 2017:

PRIMEIRA FASE MASCULINA – Vitória=Terceira Fase / 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: Samuel Pupo (BRA), Ryland Rubens (EUA), Marco Mignot (FRA)

2.a: Mateus Herdy (BRA), Mikey McDonagh (AUS), Keanu Kamiyama (JPN)

3.a: Rio Waida (IDN), Jake Elkington (AFR), Ocean Macedo (HAV)

4.a: Barron Mamiya (HAV), Adin Masencamp (AFR), Jhonny Guerrero (PER)

5.a: Finn McGill (HAV), Te Kehukehu Butler (NZL), Erwan Blouin (FRA)

6.a: Cody Young (HAV), Lucas Wrice (AUS), Kauli Vaast (FRA)

7.a: Reef Heazlewood (AUS), Momoto Tsuzuki (JPN), Theo Julitte (FRA)

8.a: Liam O´Brien (AUS), Tyler Gunter (EUA), Yuri Ogasawara (JPN)

9.a: Joh Azuchi (JPN), Joshe Faulkner (AFR), Max Elkington (AFR)

10: John Mel (EUA), Sandon Whittaker (AUS), Eli Hanneman (HAV)

11: Yuji Nishi (JPN), Cole Houshmand (EUA), Leo Paul Etienne (FRA)

12: Che Allan (BRB), João Chianca (BRA), Ford Van Jaarsveldt (AFR)

PRIMEIRA FASE FEMININA – Vitória=Terceira Fase / 2.a e 3.a=Segunda Fase:

1.a: Teresa Bonvalot (PRT), Alyssa Lock (AUS), Sophie Bell (AFR)

2.a: Vahine Fierro (TAH), Kirra Pinkerton (EUA), Kayla Nogueira (AFR)

3.a: Macy Callaghan (AUS), Shino Matsuda (JPN), Ellie Turner (ING)

4.a: Zoe McDougall (HAV), Alyssa Spencer (EUA), Sol Aguirre (PER)

5.a: Minori Kawai (JPN), Zahli Kelly (AUS), Sara Wakita (JPN)

6.a: Summer Macedo (HAV), Sophia Fulton (AUS), Tainá Hinckel (BRA)

CAMPEÕES MUNDIAIS PRO JUNIOR DA WORLD SURF LEAGUE:

2016: Ethan Ewing (AUS) e Macy Callaghan (AUS) na Austrália

2015: Lucas Silveira (BRA) e Isabella Nichols (AUS) em Portugal

2014: Vasco Ribeiro (PRT) e Mahina Maeda (HAV) em Portugal

2013: Gabriel Medina (BRA) e Ella Willians (NZL) no HD World Junior no Brasil

2012: Jack Freestone (AUS) e Nikki Van Dijk (AUS) em Bali, na Indonésia

2011: Caio Ibelli (BRA) e Leila Hurst (HAV) na Indonésia, Brasil, Austrália

2010: Jack Freestone (AUS) e Alizee Arnaud (FRA) na Indonésia e Austrália

2009: Maxime Huscenot (FRA) e Laura Enever (AUS) na Austrália

2008: Kai Barger (HAV) e Pauline Ado (FRA) na Austrália

2007: Pablo Paulino (BRA) e Sally Fitzgibbons (AUS) na Austrália

2006: Jordy Smith (AFR) e Nicola Atherton (AUS) na Austrália

2005: Kekoa Bacalso (HAV) e Jessi Miley-Dyer (AUS) na Austrália

2004: Pablo Paulino (BRA) na Austrália

2003: Adriano de Souza (BRA) na Austrália

2002: não realizado por falta de datas

2001: Joel Parkinson (AUS) na Austrália

2000: Pedro Henrique (BRA) no Havaí

1999: Joel Parkinson (AUS) no Havaí

1998: Andy Irons (HAV) no Havaí