HUNTINGTON BEACH, Califórnia / EUA (Domingo, 31 de julho) – Mais seis surfistas da América do Sul passaram pela primeira fase do Vans US Open of Surfing, mesmo número de classificações do sábado na Califórnia, Estados Unidos. O top do CT, Jadson André, venceu a bateria que abriu o domingo em Huntington Beach, João Chianca ganhou a primeira dobradinha verde-amarela com Matheus Navarro e Ian Gouveia e Edgard Groggia, também avançaram em segundo lugar. Ainda teve a peruana Sol Aguirre se classificando na sua estreia em etapas do World Surf League (WSL) Challenger Series. A primeira fase feminina continua nesta segunda-feira, inaugurando a transmissão ao vivo pelo WorldSurfLeague.com a partir das 7h30 na Califórnia, 11h30 no Brasil.

Diferente do primeiro dia, o domingo começou bem para o Brasil em Huntington Beach. As condições do mar melhoraram, formando boas rampas para as manobras aéreas. Foi voando que o top do CT já garantido na elite de 2023, Jadson André, ganhou o primeiro confronto do dia, contra o australiano Dylan Moffat e os franceses Joan Duru e Timothe Bisso. Duas baterias depois, veio a primeira dobradinha verde-amarela no Vans US Open of Surfing, com João Chianca passando em primeiro lugar e Matheus Navarro em segundo. Os dois barraram o havaiano Brodi Sale e outro brasileiro, Marco Fernandez.

Ian Gouveia batendo recorde de pontos (Foto: Beatriz Ryder/World Surf League)

A disputa seguinte foi a melhor dos dois primeiros dias do WSL Challenger Series da Califórnia. O australiano Jacob Willcox e o brasileiro Ian Gouveia usaram os aéreos para bater o recorde de pontos do sábado, ambos somando uma nota 7,50 das suas melhores ondas. Willcox venceu por 14,40 pontos, contra 14,17 do pernambucano, que despachou dois norte-americanos na briga pela segunda vaga para a próxima fase, Jett Schilling e o ex-top do CT, Conner Coffin.

O paulista Edgard Groggia também avançou em segundo lugar na vitória do australiano confirmado no CT 2023, Ryan Callinan. Não fosse a participação tripla na bateria com João ChiancaMatheus Navarro e Marco Fernandez, o Brasil teria garantido 100% de classificação no domingo. O argentino Santiago Muniz também estreou no segundo dia, porém ficou em último lugar na classificação do marroquino Ramzi Boukhiam e do australiano Julian Wilson, que parece ter abandonado a aposentadoria anunciada em 2019.

Matheus Navarro completou a primeira dobradinha brasileira (Foto: @WSL / Beatriz Ryder)

DEZ BRASILEIROS – Com os resultados do domingo, dez brasileiros passaram suas primeiras baterias em Huntington Beach e vão disputar a segunda fase do Vans US Open of Surfing. O primeiro a competir será Mateus Herdy, que defende vaga no grupo dos 10 indicados pelo ranking do WSL Challenger Series, para a elite do Championship Tour de 2023. O catarinense é o penúltimo da lista e está na terceira das doze baterias, com os norte-americanos Jake Marshall e Levi Slawson e o australiano Liam O´Brien.

Na quinta bateria, tem Willian Cardoso e Eduardo Motta, junto com o peruano Lucca Mesinas e outro norte-americano, Michael Dunphy. Na sétima, Thiago Camarão compete sozinho contra três surfistas de outros países, assim como Alejo Muniz na oitava, defendendo a última posição no G-10. Alejo começou bem essa batalha, eliminando o líder do ranking e vencedor das duas últimas etapas do WSL Challenger Series, Rio Waida, da Indonésia.

Jadson André ganhou a primeira bateria do domingo (Foto: Beatriz Ryder/World Surf League)

VAGAS NO G-10 – Depois, tem uma participação tripla do Brasil na nona bateria, com Jadson AndréIan Gouveia e Matheus Navarro novamente, tendo que disputar apenas duas vagas para a terceira fase. Nolan Rapoza é o outro adversário dos três e o norte-americano está na porta de entrada do G-10. Ele é o terceiro na fila das principais ameaças para os brasileiros Mateus Herdy e Alejo Muniz, atrás apenas do australiano Morgan Cibilic e do marroquino Ramzi Boukhiam.

Estes dois e o vice-líder do ranking, o italiano Leonardo Fioravanti, estão na 12.a e última bateria da segunda fase do Vans US Open of Surfing, completada por Edgard Groggia. Antes, na décima, tem João Chianca precisando de um bom resultado para tentar recuperar a vaga no CT, perdida no corte da elite no meio da temporada. Ele vai enfrentar o francês Joan Duru e os australianos Jacob Willcox e Jordan Lawler. Chumbinho não foi bem nas três primeiras etapas e chegou na Califórnia em 62.o lugar no ranking.

João Chianca estreando com vitória nos EUA (Foto: Beatriz Ryder/World Surf League)

INÍCIO DO FEMININO – Logo após o encerramento da primeira fase masculina, foi iniciada a categoria feminina com as oito primeiras baterias fechando o domingo em Huntington Beach. Das seis participantes da América do Sul no Vans US Open of Surfing, apenas as peruanas Sol Aguirre e Daniella Rosas competiram. As outras quatro estão na segunda metade da primeira fase, que ficou para abrir a segunda-feira na Califórnia.

A atual líder do ranking regional da WSL Latin America esse ano e tricampeã sul-americana Pro Junior, Sol Aguirre, foi uma das convidadas da World Surf League para a etapa norte-americana. Ela estreou na primeira bateria da competição feminina e achou boas ondas para mostrar o seu surfe e se classificar em segundo lugar, somando notas 5,67 e 5,00.

Sol Aguirre se classificou na primeira bateria feminina (Foto: @WSL / Beatriz Ryder)

A peruana eliminou a portuguesa Francisca Veselko e a sul-africana Sarah Baum, no confronto vencido pela top do CT, Courtney Conlogue, por 12,43 pontos. Já a bicampeã sul-americana profissional da WSL Latin America em 2019 e da temporada 2020/2021, Daniella Rosas, terminou em último lugar na sexta bateria, que classificou a costa-ricense Leilani McGonagle e outra estrela da elite do CT, Lakey Peterson.

TRANSMISSÃO AO VIVO – A primeira fase feminina será completada nesta segunda-feira, inaugurando a transmissão ao vivo do WSL Challenger Series dos Estados Unidos pelo WorldSurfLeague.com e Aplicativo da WSL. As baterias vão começar as 7h30 na Califórnia, 11h30 no fuso horário de Brasília. A brasileira Summer Macedo vai estrear na segunda do dia, contra as australianas Nikki Van Dijk e Dimity Stoyle e a portuguesa Yolanda Hopkins.

Na disputa seguinte, entra a peruana Arena Rodriguez Vargas com a havaiana Bettylou Sakura Johnson, a americana Sawyer Lindblad e a francesa Maud Le Car. Depois, tem a atual campeã sul-americana da WSL Latin America, Sophia Medina, na 15.a bateria com a japonesa Sara Wakita, a australiana Holly Williams e a espanhola Ariane Ochoa. E na 16.a e última, Laura Raupp enfrenta a líder do ranking, Caitlin Simmers, a também norte-americana Ella McCaffray e a espanhola Nadia Erostarbe.

PRÓXIMAS BATERIAS DOS SUL-AMERICANOS NO VANS US OPEN:

PRIMEIRA FASE – 3.a=33.o lugar (US$ 1.000 e 700 pts) e 4.a=49.o lugar (US$ 775 e 600 pts):
——–realizada até a 8.a bateria no domingo:
10: Nikki Van Dijk (AUS), Dimity Stoyle (AUS), Yolanda Hopkins (PRT), Summer Macedo (BRA)
11: Bettylou Sakura Johnson (HAV), Sawyer Lindblad (EUA), Arena Rodriquez Vargas (PER), Maud Le Car (FRA)
15: Sara Wakita (JPN), Sophia Medina (BRA), Holly Williams (AUS), Ariane Ochoa (ESP)
16: Caitlin Simmers (EUA), Laura Raupp (BRA), Nadia Erostarbe (ESP), Ella McCaffray (EUA)

SEGUNDA FASE – 3.o=25.o lugar (US$ 1.500 e 750 pts) e 4.o=37.o lugar (US$ 1.000 e 650 pts):
03: Jake Marshall (EUA), Liam O´Brien (AUS), Mateus Herdy (BRA), Levi Slawson (EUA)
05: Lucca Mesinas (BRA), Willian Cardoso (BRA), Michael Dunphy (EUA), Eduardo Motta (BRA)
07: Ian Gentil (HAV), Evan Geiselman (EUA), Thiago Camarão (BRA), Mihimana Braye (TAH)
08: Alejo Muniz (BRA), Shun Murakami (JPN), Keanu Kamiyama (JPN), Joel Vaughan (AUS)
09: Jadson André (BRA), Nolan Rapoza (EUA), Ian Gouveia (BRA), Matheus Navarro (BRA)
10: João Chianca (BRA), Jacob Willcox (AUS), Jordan Lawler (AUS), Joan Duru (FRA)
12: Morgan Cibilic (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA), Ramzi Boukhiam (MAR), Edgard Groggia (BRA)

RESULTADOS SUL-AMERICANOS EM HUNTINGTON BEACH:

PRIMEIRA FASE – 3.a=33.o lugar (US$ 1.000 e 700 pts) e 4.a=49.o lugar (US$ 775 e 600 pts):
——–realizada até a 8.a bateria no domingo:
1.a: 1-Courtney Conlogue (EUA), 2-Sol Aguirre (PER), 3-Francisca Veselko (PRT), 4-Sarah Baum (AFR)
6.a: 1-Leilani McGonagle (CRI), 2-Lakey Peterson (EUA), 3-Hinako Kurokawa (JPN), 4-Daniella Rosas (PER)

PRIMEIRA FASE – 3.o=49.o lugar (US$ 775 e 300 pts) e 4.o=73.o lugar (US$ 600 e 250 pts):
——–baterias que abriram o domingo:
17: 1-Jadson André (BRA), 2-Joan Duru (FRA), 3-Dylan Moffat (AUS), 4-Timothee Bisso (FRA)
19: 1-João Chianca (BRA), 2-Matheus Navarro (BRA), 3-Brodi Sale (HAV), 4-Marco Fernandez (BRA)
20: 1-Jacob Willcox (AUS), 2-Ian Gouveia (BRA), 3-Jett Schilling (EUA), 4-Conner Coffin (EUA)
22: 1-Ryan Callinan (AUS), 2-Edgard Groggia (BRA), 3-Joshe Faulkner (AFR), 4-Eli Hanneman (HAV)
23: 1-Ramzi Boukhiam (MAR), 2-Julian Wilson (AUS), 3-Carlos Munoz (CRI), 4-Santiago Muniz (ARG)
——–resultados do sábado:
03: 1-Kei Kobayashi (EUA), 2-Imaikalani Devault (HAV), 3-Koa Smith (HAV), 4-Robson Santos (BRA)
08: 1-Eithan Osborne (EUA), 2-Mateus Herdy (BRA), 3-Adur Amatriain (ESP), 4-Nat Young (EUA)
09: 1-Lucca Mesinas (PER), 2-Kyuss King (AUS), 3-Shion Crawford (HAV), 4-Hiroto Ohhara (JPN)
10: 1-Willian Cardoso (BRA), 2-Cole Houshmand (EUA), 3-Frederico Morais (PRT), 4-Joshua Moniz (HAV)
11: 1-Tristan Guilbaud (FRA), 2-Michael Dunphy (EUA), 3-Alex Ribeiro (BRA), 4-Lucas Silveira (BRA)
12: 1-Kanoa Igarashi (JPN), 2-Eduardo Motta (BRA), 3-Charly Quivront (FRA), 4-Nicolas Vargas (PER)
13: 1-Ian Gentil (HAV), 2-Shun Murakami (JPN), 3-Barron Mamiya (HAV), 4-Marco Giorgi (URU)
15: 1-Keanu Kamiyama (JPN), 2-Thiago Camarão (BRA), 3-Slade Prestwich (AFR), 4-Deivid Silva (BRA)
16: 1-Alejo Muniz (BRA), 2-Evan Geiselman (EUA), 3-Rio Waida (IDN), 4-Peterson Crisanto (BRA)

—————————————————–

João Carvalho – WSL Latin America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

Gabriel Gontijo – WSL Latin America Communications – ggontijo@worldsurfleague.com


SOBRE A WSL: A World Surf League (WSL) promove as principais competições de surfe no planeta, coroando os campeões mundiais desde 1976, com os melhores surfistas do mundo se apresentando nas melhores ondas do mundo. A WSL é composta por uma divisão de Circuitos e Competições, que supervisiona e opera mais de 180 eventos globais a cada ano; pela WSL WaveCo, que produz as melhores ondas artificiais de alta performance; e pela WSL Studios, com produções independentes de conteúdos e projetos com e sem roteiros.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com