PUNTA ROCA, La Libertad, El Salvador (Quinta-feira, 16 de junho) – Os três brasileiros que encabeçaram o ranking mundial da World Surf League no ano passado, estão nas semifinais do Surf City El Salvador Pro apresentado pela Corona. O tricampeão mundial Gabriel Medina pode garantir uma decisão verde-amarela, se passar pelo norte-americano Griffin Colapinto na primeira bateria. A outra vaga na grande final será disputada pelo vice-campeão mundial e líder do ranking 2022, Filipe Toledo, e o campeão olímpico Italo Ferreira. As semifinais femininas também foram definidas nas boas ondas de 4-6 pés da quinta-feira no point break de direitas de Punta Roca, em La Libertad, El Salvador.

Esta sétima etapa do World Surf League Championship Tour 2022 deve ser encerrada nesta sexta-feira. A primeira chamada para as semifinais foi anunciada para as 6h45, 9h45 no fuso horário de Brasília. O último dia será transmitido ao vivo pelo canal Sportv e pelo WorldSurfLeague.com e Aplicativo da WSL. Na quinta-feira, foi utilizado o sistema “overlapping heats”, com duas baterias sendo disputadas simultaneamente na repescagem e nas oitavas de final masculinas.

Somente as quartas de final das duas categorias foram realizadas no formato normal, começando pela feminina. A francesa Johanne Defay passou pela australiana Sally Fitzgibbons e Lakey Peterson ganhou o duelo norte-americano Courtney Conlogue. Depois, a californiana Caroline Marks, que está voltando a competir depois da contusão sofrida no ano passado, barrou a número 1 do ranking, Carissa Moore. Ela já havia eliminado a vice-líder, Brisa Hennessy, da Costa Rica, na repescagem.

Johanne Defay assume liderança com vitória em El Salvador (Foto: @WSL / Pat Nolan)

Depois de passar pela pentacampeã mundial, Carissa Moore, o próximo desafio de Caroline Marks será contra a heptacampeã, Stephanie Gilmore, que venceu o confronto australiano com Isabella NicholsCaroline Stephanie vão disputar a segunda vaga para a grande final do Surf City El Salvador Pro. A briga pela primeira será entre Lakey Peterson e Johanne Defay , que assume a liderança do ranking se vencer em El Salvador.

Logo após as quartas de final femininas, foram iniciadas as masculinas, fechando a quinta-feira de 24 baterias realizadas nas direitas de Punta Roca. Gabriel Medina foi o primeiro a se classificar para as semifinais, vingando a derrota sofrida para o australiano Jack Robinson nas semifinais do Quiksilver Pro G-Land na Indonésia. O tricampeão mundial já havia vencido a primeira bateria brasileira das oitavas de final, com o também paulista Caio Ibelli.

“É sempre bom ganhar, mas essa bateria foi bem lenta de ondas”, disse Gabriel Medina, sobre o confronto com Jack Robinson pelas quartas de final. “O Jack é um surfista muito bom e melhorou muito. É incrível ver a evolução dessa galera mais nova. Ele ganhou de mim em G-Land, então foi bom dar o troco aqui. Esse é o objetivo sempre, por isso é tão divertido competir. Para mim, está sendo ótimo surfar sem pressão e espero fazer a final aqui amanhã”.

Gabriel Medina (Foto: Thiago Diz/World Surf League)

LYCRA AMARELA – A outra bateria brasileira das oitavas de final foi entre Yago Dora e Filipe Toledo, que confirmou o primeiro lugar no ranking com a classificação para as quartas de final e a lycra amarela para competir no Oi Rio Pro apresentado pela Corona em Saquarema, que começa na próxima quinta-feira na Capital Nacional do Surf da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Filipe vai tentar o tricampeonato consecutivo na etapa brasileira do WSL Championship Tour, pois venceu as duas últimas edições, em 2018 e em 2019.

Depois de passar por Yago DoraFilipe Toledo despachou o australiano Callum Robson com um dos maiores placares do dia. Ele totalizou 16,67 pontos com as notas 8,50 e 8,17 das primeiras ondas que surfou na bateria. Este confronto foi uma reedição da vitória de Filipe Toledo no Rip Curl Pro Bells Beach deste ano na Austrália. O resultado se repetiu, com o brasileiro avançando para as semifinais pela quarta vez nas sete etapas desta temporada.

“Foi uma bateria incrível, com boas ondas e eu estava bem confiante”, disse Filipe Toledo“Eu fiz a final contra o Callum (Robson) em Bells Beach, então já sabia que ia precisar ter duas notas boas no início. Certamente, este tem sido o melhor ano da minha carreira e estou bem feliz com meus resultados. Estou me sentindo em sintonia com as ondas aqui de Punta Roca, meu equipamento também está muito bom, então estou pronto e preparado para a próxima”.

Filipe Toledo (Foto: Pat Nolan/World Surf League)

E a próxima será contra o campeão mundial de 2019 e medalha de ouro nas Olimpíadas, Italo Ferreira. Os dois já se enfrentaram em 12 baterias no CT e Filipe tem vantagem, ganhando 7 delas. A última foi também na semifinal do MEO Pro Portugal em Supertubos esse ano. O potiguar fechou a quinta-feira fazendo sua melhor apresentação nas direitas de Punta Roca. Foi outro confronto direto entre Brasil e Austrália e Italo teve que mostrar o seu surfe, para somar 8,80 e 8,67 na vitória por 17,47 a 16,10 pontos do Ethan Ewing.

“Foi um dia muito longo e estou bem cansado”, disse Italo Ferreira“Eu cheguei aqui umas 5h30 da manhã para treinar e surfei mais três baterias durante o dia, então foi bem cansativo. Mas, agora só faltam duas para chegar no topo do pódio e vai ser irado, comigo e o Gabriel e o Filipe no dia das finais. Espero que dê boas ondas amanhã e obrigado a todos pela torcida”.

VAGA NOS TOP-5 – Essa bateria entre Italo Ferreira e Ethan Ewing era uma batalha direta por vaga no grupo dos top-5, que vai disputar o título mundial da temporada no Rip Curl WSL Finals, em setembro em Trestles, na Califórnia. O potiguar de Baía Formosa estava em sexto lugar no ranking, logo abaixo do australiano. Agora, Italo subiu para a terceira posição e Ethan desceu para a sétima. O outro que entrou no grupo dos top-5 em El Salvador foi Griffin Colapinto, tirando o contundido John John Florence da lista.

Italo Ferreira (Foto: Pat Nolan/World Surf League)

Os três que permaneceram foram Filipe Toledo, que segue firme na frente e vai vestir a lycra amarela de número 1 da World Surf League pela quarta etapa seguida no Oi Rio Pro apresentado pela Corona em Saquarema, o australiano Jack Robinson na vice-liderança e o japonês Kanoa Igarashi, que caiu do quarto para o quinto lugar. Na categoria feminina, a brasileira Tatiana Weston-Webb não passou nenhuma bateria em Punta Roca e despencou da quinta para a nona posição no ranking das sete etapas completadas em El Salvador.

A australiana Tyler Wright, que não foi competir no Surf City El Salvador Pro, também saiu do grupo das top-5. As duas que entraram na zona de classificação para o Rip Curl WSL Finals, foram a americana Lakey Peterson e a australiana Stephanie Gilmore, que no momento ocupam a quarta e quinta colocações, respectivamente. A havaiana Carissa Moore continua na frente, mas pode perder a lycra amarela se Johanne Defay vencer esta etapa. A francesa já tirou a vice-liderança de Brisa Hennessy, que caiu para o terceiro lugar.

TRANSMISSÃO AO VIVO – O último dia do Surf City El Salvador Pro apresentado pela Corona será transmitido ao vivo pelo canal SporTV WorldSurfLeague.com e Aplicativo da WSL. Esta sétima etapa do WSL Championship Tour está sendo realizada com patrocínio da Surf City, Corona, El Salvador Tourism, SHISEIDO, Pura Vida, Red Bull, Oakley, Hydro Flask e Expedia.

SEMIFINAIS DO SURF CITY EL SALVADOR PRO:

CATEGORIA MASCULINA – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pontos:
1.a: Gabriel Medina (BRA) x Griffin Colapinto (EUA)
2.a: Filipe Toledo (BRA) x Italo Ferreira (BRA)

CATEGORIA FEMININA – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pontos:
1.a: Johanne Defay (FRA) x Lakey Peterson (EUA)
2.a: Caroline Marks (EUA) x Stephanie Gilmore (AUS)

RESULTADOS DA QUINTA-FEIRA EM EL SALVADOR:

SEGUNDA FASE – Derrota=17.o lugar com US$ 12.125 e 1.330 pontos:
1.a: Ethan Ewing (AUS) 12,00 x 8,26 Bryan Perez (SLV)
2.a: Callum Robson (AUS) 12,00 x 9,20 Jadson André (BRA)
3.a: Italo Ferreira (BRA) 13,20 x 8,83 Joshua Burke (BRB)
4.a: Matthew McGillivray (AFR) 12,87 x 11,20 Kolohe Andino (EUA)
5.a: Griffin Colapinto (EUA) 13,84 x 8,90 Carlos Munoz (CRI)
6.a: Jordy Smith (AFR) 14,44 x 10,87 Nat Young (EUA)
7.a: Jake Marshall (EUA) 9,26 x 8,20 Miguel Pupo (BRA)
8.a: Connor O´Leary (AUS) 12,63 x 12,53 Samuel Pupo (BRA)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 13.500 e 3.320 pontos:
1.a: Jack Robinson (AUS) 17,76 x 15,17 Jackson Baker (AUS)
2.a: Gabriel Medina (BRA) 16,00 x 11,23 Caio Ibelli (BRA)
3.a: Kanoa Igarashi (JPN) 10,73 x 7,10 Jake Marshall (EUA)
4.a: Griffin Colapinto (EUA) 13,67 x 10,83 Jordy Smith (AFR)
5.a: Filipe Toledo (BRA) 14,66 x 11,33 Yago Dora (BRA)
6.a: Callum Robson (AUS) 11,83 x 8,30 Barron Mamiya (HAV)
7.a: Ethan Ewing (AUS) 15,27 x 12,94 Matthew McGillivray (AFR)
8.a: Italo Ferreira (BRA) 14,73 x 13,43 Connor O´Leary (AUS)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 20.000 e 4.745 pontos:
1.a: Gabriel Medina (BRA) 12,50 x 6,50 Jack Robinson (AUS)
2.a: Griffin Colapinto (EUA) 17,60 x 16,20 Kanoa Igarashi (JPN)
3.a: Filipe Toledo (BRA) 16,67 x 10,57 Callum Robson (AUS)
4.a: Italo Ferreira (BRA) 17,47 x 16,10 Ethan Ewing (AUS)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 20.000 e 4.745 pontos:
1.a: Johanne Defay (FRA) 15,60 x 11,00 Sally Fitzgibbons (AUS)
2.a: Lakey Peterson (EUA) 12,77 x 12,43 Courtney Conlogue (EUA)
3.a: Caroline Marks (EUA) 14,03 x 11,56 Carissa Moore (HAV)
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) 16,20 x 12,66 Isabella Nichols (AUS)

—————————————————–

João Carvalho – WSL Latin America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

Gabriel Gontijo – WSL Latin America Communications – ggontijo@worldsurfleague.com


SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com