PRAINHA, Rio de Janeiro (Quinta-feira, 16 de junho) – O jovem carioca Anderson da Silva, o Pikachu criado nas ondas do Arpoador, estabeleceu novos recordes para o LayBack Pro Rio na bateria mais aguardada do dia. Com o feriado na quinta-feira, um grande público compareceu na Prainha e vibrou com o show de surfe comandado pelos surfistas do Rio de Janeiro. Anderson Pikachu conseguiu uma nota 9,5 e atingiu 16,93 pontos, para derrotar um dos favoritos, João Chianca, que estava na elite do CT esse ano. O cearense Cauã Costa, que mora no Rio de Janeiro, também brilhou e a peruana Daniella Rosas ganhou a primeira bateria feminina na primeira etapa do World Surf League (WSL) Qualifying Series na Prainha.

“A onda que eu consegui fazer a maior nota do campeonato, foi uma esquerda muito boa. O meu forte é o backside, então eu já estava procurando as esquerdas e sobrou a melhor onda pra mim. Eu estava no lugar certo e consegui fazer as manobras que eu queria”, disse Anderson da Silva“Eu só tenho que agradecer a Deus, porque a bateria estava pesada demais, mas deu tudo certo e vamos com foco total pra próxima fase. Este é meu primeiro QS esse ano e eu sabia que a bateria ia ser pesada, com o Leandrinho (Leandro Bastos), o João Chumbinho, mas cheguei dentro d´água e dei o meu melhor para vencer”.

Anderson da Silva, o Pikachu do Arpoador (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

Leandro Bastos e João Chianca já tem vitórias do QS no currículo e eram os favoritos, mas o surfista da comunidade do Cantagalo, fruto do projeto do Arpoador Surf Club e da Favela Surf Club, que tira as crianças da ociosidade para surfar, fazer treinamentos, consertar pranchas, achou a melhor onda que entrou na Prainha nos dois primeiros dias do LayBack Pro Rio. A esquerda armou o paredão, para ele mandar uma série de três manobras muito potentes de backside, atacando os pontos mais críticos da onda para ganhar nota 9,50 dos juízes.

Depois, Anderson Pikachu surfou bem outra esquerda e somou 7,43 na vitória por 16,93 pontos, ultrapassando os 16,06 do paraibano José Francisco, que era o maior placar do campeonato. Essa bateria foi disputada na melhor hora do mar na quinta-feira, com todos tendo oportunidade de surfar boas ondas. A batalha pela segunda vaga para a terceira fase foi intensa, com João Chianca e Leandro Bastos ganhando nota 7,33 na melhor onda deles. Chumbinho se classificou, mas foi por uma pequena diferença de 14,23 a 13,90 pontos.

“Este ano está diferente pra mim, parece que as baterias de alto nível estão me perseguindo. Eu só pego atletas de alto nível, sempre no dia deles e não foi diferente dessa vez”, disse João Chianca“O Anderson (da Silva) pegou a melhor onda do dia realmente. Eu vi ali de trás, que ele fez três manobras muito boas. Fora isso, tinha o Leandro também, que já me treinou e fez uma bateria páreo duro comigo. Estou feliz, porque a Prainha é um lugar mágico, que eu tenho usado muito como campo de treinamento. Então, é bom finalmente estar competindo aqui, mostrando um pouco do que eu tenho treinado esse tempo todo”.

João Chianca (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

João Chianca participou da primeira metade do CT 2022, porém saiu da elite no novo corte implantado esse ano, no meio da temporada. Mas, até agora nenhum brasileiro conseguiu bater as marcas que deixou na sua curta passagem pela divisão principal da World Surf League, registradas nos duelos com o bicampeão mundial John John Florence, considerados por muitos como as melhores baterias do ano. Chumbinho perdeu para o havaiano com uma nota 9,87 num tubaço surfado em Pipeline e totalizando 17,73 pontos nas direitas de Bells Beach.

LOCAL DA PRAINHA – Antes do surfista de Saquarema também fazer parte da melhor bateria do LayBack Pro Rio, com os cariocas Anderson da Silva e Leandro Bastos, além do cearense Glauciano Rodrigues, um dos destaques do primeiro dia, um local da Prainha já tinha levantado a torcida que encheu a praia na quinta-feira. O jovem Vitor Ferreira, conquistou a primeira vitória carioca na segunda fase, eliminando o recordista de pontos da quarta-feira, José Francisco. O uruguaio Martin Ottado avançou em segundo lugar, junto com ele.

“Foi maravilhoso competir em casa. Eu nunca imaginei disputar um QS aqui, com minha família, os amigos da praia, amigos da escola, muitas pessoas me dando apoio e senti que essa energia toda veio pra mim na bateria”, disse Vitor Ferreira“Estou felizão de estar aqui vivendo isso, mas foi só o primeiro dia pra mim e temos um longo evento ainda. A Layback veio com tudo pra apoiar o surfe, já patrocinaram duas etapas em Florianópolis e está investindo aqui com essa estrutura gigante. Então, a gente só tem que agradecer aos organizadores. Todo mundo está muito feliz, em poder estar vivendo tudo isso aqui”.

Vitor Ferreira (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

Outro surfista que, como Vitor Ferreira, mora no Recreio dos Bandeirantes, próximo à Prainha, também se destacou nas boas ondas da quinta-feira. O atual campeão sul-americano Pro Junior da WSL Latin America, Cauã Costa, é cearense, mas há muito tempo mora na capital carioca e conseguiu a segunda maior somatória do dia. Os 15,00 pontos que ele totalizou na décima bateria, só ficaram abaixo dos 16,93 do novo recordista absoluto do LayBack Pro RioAnderson “Pikachu” da Silva.

“Rolou altas ondas na bateria e, graças a Deus, eu consegui pegar duas boas no finalzinho para virar com dois setes altos”, disse Cauã Costa, referindo-se as notas 7,60 e 7,40 que recebeu nas suas melhores ondas. “Foi um dia sensacional na Prainha, com altas ondas desde cedo e estou amarradão por passar para a próxima fase. Vamos vir com tudo amanhã também”.

Caua Costa (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

VAGAS NOS TOP-10 – Os surfistas que estão defendendo vagas no grupo dos top-10 do ranking regional da WSL Latin America, que se classifica para disputar o Challenger Series em 2023, também competiram nas boas ondas da quinta-feira na Prainha. Entre os sete que participam do LayBack Pro Rio, apenas Weslley Dantas (6.o do ranking) não passou para a terceira fase. Já o vice-líder, Gabriel AndréHeitor Mueller (4.o), Ryan Kainalo (5.o), Igor Moraes (8.o) e os argentinos José Gundesen (3.o) e Santiago Muniz (9.o), avançaram.

O paulista Gabriel André estreou na última bateria do dia e liderou desde a nota 6,50 da sua primeira onda. Depois, somou um 5,83 para vencer por 12,33 pontos. O jovem surfista de Saquarema, Rickson Falcão, um dos competidores mais novos do LayBack Pro Rio, de apenas 14 anos de idade, ficou com a última vaga para a terceira fase. Os 9,33 pontos que conseguiu com notas 4,83 e 4,50, superou os 7,30 de Luciano Brulher e os 7,27 do Pedro Martins.

“Eu estava bem ansioso pra competir. Passei o dia todo vendo altas ondas e graças a Deus que deu tudo certo”, disse Gabriel André“Eu já tinha vindo surfar aqui, mas pra competir é a primeira vez e esse lugar é alucinante, tem altas ondas, é um paraíso e vamos desfrutar. Não quero pensar muito em ranking, só em bateria por bateria. Mas, é lógico que eu quero uma vaga no Challenger, então quanto mais em cima eu me manter, será melhor para mim”.

Gabriel André (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

ESTREIA DO FEMININO – O LayBack Pro Rio foi iniciado na quarta-feira só com a primeira fase masculina e a categoria feminina abriu o segundo dia da inédita etapa do WSL Qualifying Series na Prainha. A peruana Daniella Rosas, bicampeã sul-americana da WSL Latin America que estava na Austrália, competindo nas duas primeiras etapas do Challenger Series 2022, ganhou a primeira bateria feminina da história do QS na Prainha.

“É a minha primeira vez aqui na Prainha e dá pra ver que é um lugar de boas ondas, muito bonito”, disse Daniella Rosas“Consegui vencer essa, mas vamos passo a passo, bateria a bateria, sempre tentando mostrar o meu surfe. Achei a Prainha um lugar super lindo, supertranquilo, me encanta toda essa Natureza incrível, então estou superfeliz em estar aqui competindo”.

Daniella Rosas (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

A carioca Julia Duarte passou junto com a peruana, para enfrentar as cabeças de chave que vão estrear somente na segunda fase do LayBack Pro Rio. O segundo confronto da quinta-feira foi 100% brasileiro e se classificaram a cearense Larissa dos Santos e outra carioca, Mariana Areno. Depois, teve outra vitória peruana de Melanie Giunta e a jovem catarinense Isabelle Nalu, de apenas 15 anos de idade, ganhou a quarta e última bateria da primeira fase.

“Eu estava ansiosa para competir aqui. Eu nunca tinha surfado nessa praia e eu amo o Rio de Janeiro, então pra mim foi superlegal ter passado em primeiro a minha primeira bateria aqui”, disse Isabelle Nalu“O mar está um pouco difícil, mas se você acha a onda certa, a parede abre para fazer as manobras. Teve algumas que eu caí, porque não estou acostumada a surfar aqui, mas estou muito feliz por estar em um campeonato com ondas boas”.

Isabelle Nalu (Foto: Luiz Blanco / LayBack Pro)

ATRAÇÕES EXTRAS – Com o feriado na quinta-feira, os cariocas encheram a Prainha e muitos aproveitaram as atrações extras, que acontecem paralelamente à competição no LayBack Pro Rio. Foram realizadas mais atividades do “Jiu-Jitsu 4 Life”, bem como as clínicas de skate promovidas pela Carma Skateshop na “Mini Ramp Sessions” e muita gente também visitou as lojas do “Local Market”, instaladas no estacionamento da Prainha.

LayBack Pro Rio é uma realização da Agência Esporte & Arte (AEA), licenciada pela WSL Latin America para promover esta etapa do WSL Qualifying Series, homologada pela FESERJ (Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro), que conta com apresentação do Bar 399 e patrocínio da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, Corona e Metha Energia; suporte da ASAP (Associação dos Surfistas e Amigos da Prainha), BOLD Snacks e Orla Rio; apoio da Monster Energy, RIOZEN Toyota e site Waves.com.br, com a FIRMA produzindo a transmissão ao vivo pelo WorldSurfLeague.com.

BATERIAS QUE VÃO ABRIR A SEXTA-FEIRA DO LAYBACK PRO RIO:

08h00: TERCEIRA FASE – 3.o=17.o lugar (200 pts) e 4.o=25.o lugar (150 pts):
1.a: Ryan Kainalo (BRA), Gabriel Klaussner (BRA), Martin Ottado (URU), Lucas Catapam (BRA)
2.a: Vitor Ferreira (BRA), Uriel Sposaro (BRA), Daniel Templar (BRA), Lukas Camargo (BRA)
3.a: João Chianca (BRA), Renan Pulga (BRA), Luan Wood (BRA), Valentin Neves (BRA)
4.a: Wiggolly Dantas (BRA), Igor Moraes (BRA), Daniel Matos (BRA), Anderson da Silva (BRA)
5.a: Krystian Kymerson (BRA), Cauã Costa (BRA), Pedro Neves (BRA), Patrick Plachi (BRA)
6.a: José Gundesen (ARG), Marcos Correa (BRA), Walley Guimarães (BRA), Fernando Junior (BRA)
7.a: Edgard Groggia (BRA), Samuel Igo (BRA), Cauã Gonçalves (BRA), Rickson Falcão (BRA)
8.a: Gabriel André (BRA), Santiago Muniz (ARG), Heitor Mueller (BRA), Pedro Dib (BRA),

11h20: SEGUNDA FASE FEMININA – 1.a e 2.a=Quartas de Final:
—— 3.a=9.o lugar (350 pontos) e 4.a=13.o lugar (295 pts)
1.a: Tainá Hinckel (BRA), Valeria Ojeda (VNZ), Daniella Rosas (PER), Mariana Areno (BRA)
2.a: Kiany Hyakutake (BRA), Silvana Lima (BRA), Julia Duarte (BRA), Larissa dos Santos (BRA)
3.a: Laura Raupp (BRA), Summer Macedo (BRA), Melanie Giunta (PER), Juliana dos Santos (BRA)
4.a: Sophia Medina (BRA), Yanca Costa (BRA), Yasmin Neves (BRA), Isabelle Nalu (BRA)

RESULTADOS DA QUINTA-FEIRA NA PRAINHA:

PRIMEIRA FASE – 3.a=17.o lugar (200 pts) e 4.a=21.o lugar (174 pts):
1.a: 1-Daniella Rosas (PER), 2-Julia Duarte (BRA), 3-Kyany Cristina (BRA)
2.a: 1-Larissa dos Santos (BRA), 2-Mariana Areno (BRA), 3-Maria Eduarda (BRA)
3.a: 1-Melanie Giunta (PER), 2-Yasmin Neves (BRA), 3-Sophia Gonçalves (BRA)
4.a: 1-Isabelle Nalu (BRA), 2-Juliana dos Santos (BRA), 3-Rafaella Montesi (CHL)

SEGUNDA FASE MASCULINA – entrada dos 32 cabeças de chave:
——–3.o=33.o lugar (66 pts) e 4.o=49.o lugar (60 pts)
1.a: 1-Ryan Kainalo (BRA), 2-Daniel Templar (BRA), 3-Leon De La Torre (CHL), 4-Felipe Ximenes (BRA)
2.a: 1-Gabriel Klaussner (BRA), 2-Lukas Camargo (BRA), 3-Diego Aguiar (BRA), 4-Leo Andrade (BRA)
3.a: 1-Vitor Ferreira (BRA), 2-Martin Ottado (URU), 3-José Francisco (BRA), 4-Felipe Oliveira (BRA)
4.a: 1-Uriel Sposaro (BRA), 2-Lucas Catapam (BRA), 3-Weslley Dantas (BRA), 4-Luis Henrique Araujo (BRA)
5.a: 1-Luan Wood (BRA), 2-Igor Moraes (BRA), 3-Janninfer de Sousa (BRA), 4-Edson de Pra (BRA)
6.a: 1-Renan Pulga (BRA), 2-Daniel Matos (BRA), 3-Niccolas Padaratz (BRA), 4-Matheus Navarro (BRA)
7.a: 1-Wiggolly Dantas (BRA), 2-Valentin Neves (BRA), 3-Noel De La Torre (CHL), 4-Samuel Joquinha (BRA)
8.a: 1-Anderson da Silva (BRA), 2-João Chianca (BRA), 3-Leandro Bastos (BRA), 4-Glauciano Rodrigues (BRA)
9.a: 1-Patrick Plachi (BRA), 2-José Gundesen (ARG), 3-Kayan Medeiros (BRA), 4-Luiz Henrique Rosa (BRA)
10: 1-Cauã Costa (BRA), 2-Walley Guimarães (BRA), 3-Daniel Adisaka (BRA), 4-Gustavo Fernandes (BRA)
11: 1-Marcos Correa (BRA), 2-Krystian Kymerson (BRA), 3-Sunny Pires (BRA), 4-Theo Fresia (BRA)
12: 1-Fernando Junior (BRA), 2-Pedro Neves (BRA), 3-Gabriel Paiva (BRA), 4-Rafael Teixeira (BRA)
13: 1-Cauã Gonçalves (BRA), 2-Heitor Mueller (BRA), 3-Kim Matheus (BRA), 4-Ivo Gothardo (BRA)
14: 1-Edgard Groggia (BRA), 2-Santiago Muniz (ARG), 3-Cauet Frazão (BRA), 4-Rodrigo Saldanha (BRA)
15: 1-Pedro Dib (BRA), 2-Samuel Igo (BRA), 3-Philippe Neves (BRA), 4-Israel Junior (BRA)
16: 1-Gabriel André (BRA), 2-Rickson Falcão (BRA), 3-Luciano Brulher (BRA), 4-Pedro Martins (BRA)

—————————————————–

João Carvalho – WSL Latin America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

Gabriel Gontijo – WSL Latin America Communications – ggontijo@worldsurfleague.com


SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com